Jul 06, 2020

STF define que lavratura de TCO é ato da Justiça e da Polícia Judiciária

1
0
0
s2smodern

Raquel Kobashi Gallinati Lombardi, Presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia de São Paulo e Ivana David, Juíza substituta em 2⁰ grau no Tribunal de Justiça de São Paulo

O Supremo Tribunal Federal (STF) assentou no último dia 27 o entendimento de que a lavratura do Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), relacionado especificamente ao crime previsto no artigo 28 da Lei 11.343/2006 é um ato permitido tanto ao juiz de Direito quanto ao delegado de Polícia Judiciária.


A decisão foi tomada em julgamento no plenário virtual da corte, na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3.807 impetrada pela Associação de Delegados de Polícia do Brasil (Adepol), que pretendia declarar a inconstitucionalidade do § 3º do art. 48 da Lei 11.343/2006, que confere ao Juiz de Direito a prerrogativa de lavratura do TCO nas condutas do art. 28 da mesma lei.


Em seus votos, os magistrados, com exceção do ministro Marco Aurélio, acompanharam a relatora, ministra Carmen Lúcia, de que o TCO, nesta situação específica, pode ser elaborado tanto pela autoridade policial, especificamente o delegado de Polícia Judiciária, quanto pelo juiz de Direito.


Mais uma vez, o STF reconhece a Polícia Judiciária e a Justiça como únicos detentores da prerrogativa de lavratura de TCOs em algumas situações específicas. Em decisão publicada em 18 de março de 2019, o Supremo estabeleceu a inconstitucionalidade de lavratura de Termo Circunstanciado pela Polícia Militar em uma ação da Associação dos Delegados do Amazonas (Adepol/AM), em uma Adin sobre artigos da Lei 9.099/95.


Na sessão do último dia 27, o STF entendeu que o órgão judiciário, excepcionalmente, pode elaborar TCO do crime previsto no art. 28, da Lei nº 11.343/2006, por se tratar de uma situação especial.


A Ministra Cármen Lúcia, no voto proferido na ADI 3.807, deixou claro que tal situação ocorre porque as normas dos §§ 2º e 3º, do art. 48, da Lei nº 11.343/2006, foram editadas em benefício do usuário de drogas, visando afastá-lo do ambiente policial.


Por esse motivo, o legislador, seguindo a tendência dos países desenvolvidos, optou pela apresentação do usuário de drogas diretamente à Autoridade Judicial, por se tratar de questão de saúde pessoal e pública.


Quando no último dia 27 o STF considerou improcedente o pleito da Adepol nacional de tornar a autoria do TCO exclusiva do delegado de polícia, a decisão se tornou um marco histórico para o registro de ocorrências no país. Ela determinou, sem sombra de dúvida, a lavratura como atividades da Polícia Civil e da Justiça, cabendo a todas as demais entidades de segurança pública o encaminhamento do caso para estas instâncias, que darão prosseguimento ao registro das ocorrências, garantindo, assim, o direito do autor de ter sua ocorrência registrada por autoridade competente, conforme rege a Constituição brasileira.


Da Redação

DELEGADOS.com.br
Portal Nacional dos Delegados & Revista da Defesa Social

 

 

1
0
0
s2smodern

Destaques